3ª Noite da Novena em honra ao Divino Espírito Santo

Domingo tradicionalmente é o dia de descanso, porém também é dia de demonstrarmos nossa fé, e muitos fiéis se reuniram-se às 19h deste dia 2 de junho afim de participar da 3ª noite da novena em honra ao Divino Espírito Santo. Tivemos como celebrante o Pe. Érico Martins e co-celebrando o Pe. João Gheno Neto, nesta noite o tema abordado foi: Missão e sínodo da Amazônia.

O Pe. Érico em sua homilia nos trouxe presente antes de falar sobre o tema da noite, o tema gerador de toda a novena “Missão e Santidade”. Pelo batismo, todos somos configurados ao corpo místico de Cristo e a Igreja.  Cada um de nós é um membro diferente com uma função específica, todos bons ao olhos de Deus, nenhum mais, nenhum menos, todos contemplam a obra criadora do Criador, que quem é a cabeça é o próprio Cristo, é Ele que governa, por isso Cristo é o centro de nossa fé e nós somos Seus seguidores. E se pelo batismo nós somos inseridos na comunidade cristã, a Igreja, nos tornamos o povo de Deus e recebemos uma missão, e essa missão é a mesma dos Discípulos, de sair pelo mundo e tornar novos discípulos para a messe; Ide e fazei discípulos meus todos os povos, batizando-os em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Esta missão iniciou com os Apóstolos, mas ela perdura até hoje em nossos tempos com a nossa missão, como seguidores de Jesus Cristo. Se os Apóstolos sofreram perseguições por anunciarem Jesus, por testemunharem o ressuscitado, nós também, hoje numa roupagem diferente continuamos a ser perseguidos. Quantas vezes, quando nós utilizamo-nos na sociedade civil os símbolos cristãos ou falamos uma palavra ou frase da Sagrada Escritura, algumas pessoas nos ridicularizam, ou as vezes nos questionam por que você vive tanto na igreja, será que adianta alguma coisa?, acredito que cada um de nós tem uma experiência parecida, mas não tenhamos medo, vamos ter coragem, por que Jesus prometeu o Espírito Santo, Ele nos enviou o Espirito Santo, para que tenhamos esta força para continuar construindo o reino de Deus aqui e agora. E enquanto tiver pessoas passando fome, sem uma moradia digna, sem um bom trabalho, com a sua dignidade muitas vezes esfacelada, não podemos ficar de braços cruzados, pelo contrário, os Discípulos de Cristo buscam construir um mundo novo, um mundo melhor, por que aos olhos de Deus pela nossa missão um outro mundo é possível.

E hoje a igreja celebra a solenidade, a festa da ascensão do Senhor ao céus, ele disse após a sua ressurreição de ficaria um tempo determinado com seus apóstolos; e na palavra de Deus onde estudamos, revelou que são 40 dias que o Senhor fica com a comunidade. O número 40 na Sagrada Escritura é simbólico, simboliza o tempo necessário para a mudança de vida e também a conversão dos pensamentos, de mentalidade. Foi necessário que o Senhor sofresse sua paixão, morte e ressurreição para que os apóstolos realmente compreendessem qual era a mensagem do Mestre, como eles poderiam a partir daquele momento iniciar sua missão profética, e nesses 40 dias nós pudemos acompanhar nas celebrações realizadas, como Jesus ensinou os apóstolos a se tornarem missionários, que Eu vou partir, não fiquem tristes, não deixarei vocês órfãos, Enviarei o Espirito Santo.

O próprio Cristo disse a sua comunidade e também a nós, que um dia Ele vai voltar, Ele irá retornar, e a igreja chama este fato de Paresia, a segunda vinda do Messias. Nós não sabemos qual o dia, qual será a hora nem o local, qual que é a nossa missão?, de continuarmos a construir o reino com as nossas palavras, com as nossas ações, com oração e ação, e no momento certo, cujo o tempo somente o Pai sabe, nós vamos ser arrebanhados para o lado dos justos, e conforme o Senhor prometeu Ele irá retornar e separará os justos dos injustos; e qual é o lado que queremos ficar?, certamente é dos justos, que se comprometeram com a comunidade, se rezaram fervorosamente, que praticaram as obras de misericórdia, e souberam expressar a fé no cotidiano.

O Papa quer que todos sejamos realmente missionários, ele quer renovar em toda a igreja o ardor missionário na vida e na pastoral. Todos nós somos missionários quando participamos dessa comunidade e ainda queremos que outros ainda façam parte dela. Para isso precisamos ser alegres, pois ninguém evangeliza com cara de cemitério, nós precisamos ser alegres quando testemunhamos Jesus, quando nós realizamos as ações nas pastorais da nossa comunidade, devemos atrair a outras pessoas, e como atraímos?, com o nosso testemunho, quando a gente é testemunha de Jesus a gente revela coisas boas aos outros, e os outros se perguntam se eles são assim nós também podemos ser, nós também podemos fazer parte daquela comunidade. E por coincidência, acontecerá em Roma no mês de outubro, o Sínodo para a Amazônia, com o tema: “Amazônia, novos caminhos para a Igreja e para a Ecologia integral”, o Papa Francisco quer identificar novos caminhos para a evangelização na região da Amazônia que abrange o Brasil e outros países como sabemos, e olhar com misericórdia para os povos indígenas e tantos outros que fazem parte daquela região, os quilombolas, os ribeirinhos e outros. Nós temos que cuidar da casa comum, promovendo uma ecologia integral, como o Papa já explicitou a Amazônia é perseguida principalmente por quem quer explorar, querem tirar e não querem plantar novamente, quer se aproveitar da criação somente para o enriquecimento pessoal, então entra também a questão da denúncia que Papa Francisco juntamente com toda a Igreja, devemos ser cuidadores da nossa casa comum e lutar pela vida, lutar pelos povos ameaçados, sermos solidários para com eles, respeitar as culturas e rezar; há tantas pessoas que se colocam a serviço missionário na Amazônia, e eles vão despojados de si mesmos levando Jesus; não levam ne ouro nem prata, mas a melhor riqueza de suas vidas, o próprio Cristo.

E para que o Sínodo da Amazônia seja um momento de graça e que realmente o Espírito Santo possa iluminar o pensamento de muitos, vamos rezar nesta noite da novena, mas durante todo o ano, principalmente no mês de outubro, para que a gente possa conhecer a Amazônia, reconhecer os seus povos como nossos irmãos e irmãs, e conviver com a Amazônia, pois podemos pensar, nossa a Amazônia é tão longe, vamos lavar as mãos, não vamos refletir, isso não nos interessa, porém estamos enganados, pois a Amazônia é o que nos faz respirar é o pulmão do mundo, e defender como profeta da esperança uma ecologia integral.

Que o Espírito Santos nos ilumine, ilumine esta novena e que possa brotar muitos ministérios para esta comunidade para que sirvam também a Amazônia e as pessoas que se colocam disponíveis para serem discípulos que escutam a palavra e se tornam missionários para anunciar.

Informações

Júlio César Rossoni

Nenhum Comentário

Deixe uma resposta