8ª Noite da Novena em honra ao Divino Espírito Santo

“Sem Deus a Justiça vira injustiça e sem Deus a riqueza vira ganância”, estas foram as colocações do Pastor Gilmar, durante a celebração ecumênica na noite de sexta-feira dia 07 de junho, por ocasião da 8ª noite da novena em honra ao Divino Espírito Santo. Além do Pastor Gilmar Nascimento da IECLB, tivemos a presença do Pe. Mateus Danieli e Pe. João Gheno Neto, Coral da Igreja IECLB além do Conjunto Instrumental do colégio Rui Barbosa, e o tema da noite foi: Ecumenismo e a missão.

Em sua pregação o Pastor Gilmar nos lembra que assim como o povo de Israel, nós também devemos “Procurar a justiça, nada além da justiça” (Dt 16,9-20).

O povo de Deus está prestes a entrar na terra prometida, Canaã, após ser libertado da escravidão egípcia. Enquanto espera a ordem de Deus para entrar, Moisés dá as últimas orientações para que a vida na nova terra seja boa e abençoada.

O texto fala de três festas, celebrações, que o povo devia realizar e dos deveres dos juízes. Celebrar estas festas é uma forma de lembrar tudo o que Deus fez por eles. As festas são: A Páscoa lembrando a saída do Egito, A festas das sete semanas, 50 dias após o início da colheita e a festa dos tabernáculos quando se comemorava a colheita. E todos as pessoas deveriam participar. Eram festas inclusivas.

O tema central destas celebrações era a gratidão pelas bênçãos recebidas. Por isso se devia trazer ofertas para Deus. “Que ninguém vá a festa sem levar alguma coisa para oferecer a Deus…” vs. 16-17.

Ofertar é uma maneira de demonstrar que o que se tem não é conquista, mas dádiva de Deus. No reconhecimento de que tudo é dádiva nasce a solidariedade que é fundamental para a vida na nova terra.

Todo o povo de Deus poderá usufruir da bondade, liberdade e riqueza da terra. Mas é importante lembrar que liberdade e riquezas sem Deus são perigosas, pois se corre o risco de transformar em libertinagem e ganância.

Por fim Moisés dá um recado aos juízes. “Não devem distorcer a justiça, não tratar as pessoas com parcialidade, nem aceitar suborno, porque o suborno cega e provoca injustiça, por isso seguirás a justiça, somente a justiça.”

Se havia algo que o povo tinha saudades era da justiça, depois de tanta exploração no Egito. É interessante que Moisés enfatiza a busca da justiça. Ele não fala em lei, mas em justiça. Nem tudo que é legal pé justo. Ex. Escravidão… A justiça não brota da lei, mas da obediência a vontade de Deus. Deus quer igualdade e equilíbrio na vida de seus filhos, por isso ele envia seu Filho Jesus Cristo que ensinou o amor incondicional como lembra o evangelho de Lucas 4.16-21.

O que estas recomendações de Moisés dizem para nós hoje?

Celebrar, Agradecer, buscar a justiça.

– Nossa vida precisa ser mais alegre. Precisamos celebrar e nos alegrar mais colocando-nos nas mãos de Deus. É bom fazer paradas para celebrar, orar, louvar e ouvir a palavra de Deus.

Necessitamos agradecer mais e pedir menos. Somos um povo que vive pedindo e se esquece de agradecer. Tem gente tão viciada em pedir que nem se dá conta que está pedindo o que já tem. Somos como crianças pequenas que está cheia de brinquedos, mas quer o brinquedo do seu amiguinho. Precisamos parar de pedir e agradecer ofertando do que já temos para o serviço a Deus. “Quem não agradece é servo da insatisfação.”

– Precisamos buscar a justiça. Existe muita injustiça em nosso mundo e quem mais sofre são os pobres e humildes. Como se diz: “A justiça é como serpente, só pica os pés descalços.” É urgente mudar esta realidade. E a mudança começa com a celebração e a gratidão. Ao nos colocarmos nas mãos de Deus vamos percebendo os verdadeiros valores da vida e compreendendo que somos a família de Deus. Amém.

Informações

Júlio César Rossoni

Nenhum Comentário

Deixe uma resposta