Semana Nacional da Família Celebração da Catequese

Na noite de sexta-feira 16 de agosto, foi dia de celebrar com a família dos catequizandos na igreja Matriz Nosso Senhor Bom Jesus.

Reiterada a pergunta, “E a família como vai?”. Este é o tema da semana nacional da família 2019 e foi com ela que o pe. Mateus Danieli iniciou sua homilia.

Após mencionar que se tivéssemos o encerramento da celebração naquele momento, já teria valido muito a participação de todos, pois cantamos um dos salmos mais conhecido e as pessoas presentes cantaram com vontade: “Pelos prados e campinas…”.

Sentimos a necessidade de colocar o Senhor como Pastor em nossas casas, e este canto chega ao céus como um brado, afinal de contas se perguntarmos e a família como vai, com certeza teríamos muito o que conversar.

O padre acompanha a família de todos de uma forma mais direta, por intermédio da catequese, o contato com todos na missa, e sabemos que nossas famílias estão bem, porém tem muito para melhorar.

E os textos bíblicos que ouvimos hoje muitos os conhecem, pode até ser que escolheram para o dia do matrimônio, (1 cor 13, 1-13 e Mt 7, 24-27); o texto de Coríntios fala sobre o amor, a experiência sobre o amor; paciente, prestativo, o amor não é orgulhoso, não se ensoberbece, não é o sentimento que apenas um cresce, mas se alegra com o crescimento do outro, o amor tudo crê, tudo desculpa, tudo espera e suporta. O amor precisa ser cultivado pois é aquilo que vai permanecer, a fé a esperança e o amor.

Precisamos mostrar aos nossos olhos como o amor é importante para todos, e neste momento o pe. Mateus diz que faria uma pergunta bem “démodé”, quem ainda tem a foto do casamento exposta na casa? A resposta foi poucos… Agora indagou? E a foto com os filhos? Já aumentou. Quem tem um crucifixo pendurado em casa? Poucos se manifestaram. E neste momento Mateus diz que nem se atreveria a pedir o tamanho da tela da TV, quantos tablets, quantos celulares ou quantos notebooks tem nas casas de cada paroquiano.

Essas coisas são bem sensíveis, pois nas famílias de tempos atrás, as fotos de família só eram registrada por quem tinha o respeito, do contrário não iria para a foto. E se nem nós nos damos o respeito de ter uma foto em nossa casa que vai nos respeitar? Por isso que o amor precisa ser cultivado nas coisas que são bem simples, a exemplo de uma foto de família, o dia do casamento, não esquecer dos filhos; pois os filhos ao saírem de casa busquem na memória por aquela foto, aquele quadro da família pendurado na sala, afinal de contas ao saímos de casa nós sentimos falta das pessoas da família e essas fazem muita falta.

Filhos cuidem para cultivarem o amor, o amor pela família; não volte para a casa do seu pai apenas com o objetivo de assistir ao jogo de futebol porque a tv do pai é maior, visite a família pelo amor que você sente, pelo valor que você tem pela família, pelas pessoas.

Em um mundo que estamos vivendo com tantas mudanças, até na economia com moeda virtual e tudo mais, e nós lutando para arrumar algumas coisas porém nossos filhos não vão poder nem viver.

E nesta correria do dia a dia, muitos pais que estão lutando para deixar algo aos filhos, querendo que os filhos sejam ricos e não felizes, não percebem a crise de sentido da vida entre jovens e adolescentes que é absurda, o número de jovens que tenta suicídio é muito alto, tudo por quê?, pela falta de diálogo em família, pela falta de viver a família, pela falta do amor; e por isso estamos reunidos para rezar pelas famílias, pois nem tudo tá bem, e olhando a realidade das famílias percebemos que tem muita coisa a ser melhorada, para isso precisamos fazer a nossa parte.

Informações

Júlio César Rossoni

Nenhum Comentário

Deixe uma resposta