“Tudo está consumado”: Matriz Bom Jesus, faz memória a Paixão e Morte de Cristo.

A Sexta-feira da Paixão não é apenas marcada pelo silêncio, jejum e oração, é a data que celebramos a Paixão e Morte de Jesus. Motivo pelo qual, muitos fiéis participaram da celebração, demonstrando profundo respeito e refletindo sobre a morte do Senhor.

Após a comunidade participar ativamente da proclamação do Evangelho, os mesmos puderam ouvir o celebrante Pe. Mateus frisar em sua homilia, pontos relevantes das leituras como por exemplo: Em Isaías, o Servo era sofredor, desprezado, como último dos homens; ele foi ferido por causa de nossos pecados, dos nossos crimes e a punição a ele imposta era o preço da nossa paz. A Leitura não fala propriamente de Jesus, porém nós identificamos no servo sofredor o Cristo.

No Evangelho de João, Deus se põe perante um tribunal religioso corrupto, representado por Anás, Caifás e os Sumos Sacerdotes, um tribunal religioso que é a briga de Jesus com os fariseus, a elite dos Judeus da época. Deus foi para um tribunal político corrupto quanto… Tanto que foi parar perante Pilatos, que era um representante romano, que até queria defender Jesus, porém seu interesse em defender o seu cargo era maior do que salvar uma vida, ele preferiu passar o problema adiante, a corrupção de Pilatos acima do bem.

Deus foi para um caminho violento chamado Calvário, o caminho daquele que passou fazendo o bem, que caminhou anunciou o reino de Deus, acolhendo, falando da vida, recebendo as pessoas, os pecadores, agora passa no caminho, e neste caminho ele é insultado, apedrejado, humilhado. Deus foi para a cruz, e a cruz maior símbolo da punição romana, pois a crucificação de Jesus não foi única, muitos eram crucificados na época, e a crucificação se dava em espaços públicos, na entrada da cidade, em lugares de destaque para que as pessoas pudessem ver a punição.

Deus foi punido em uma cruz, e com Jesus a realidade da violência se torna a mais verdadeira prova de amor.

Deus foi para o sepulcro, a solidariedade de algumas pessoas, faz o caminho da sepultura de Jesus. Deus desceu a mansão dos mortos, é o ponto mais baixo que Deus chegou com Jesus. Tudo isso para quê? Por que Deus desceu tanto? Se abaixou tanto? A carta aos Hebreus dizia: “…na consumação de sua vida, tornou-se causa de salvação eterna para todos os que lhe obedecem.” Deus se abaixou tanto para ser a causa da nossa salvação.

Se Deus fez tudo isso, se Deus desceu tanto para nós, o que nós temos feito por Ele? Se Deus desceu tanto por mim, por você, por causa do meu, do teu do nosso pecado, o que é que temos feito por Deus? Se Deus fez tanto pelos seus filhos, para que todos pudessem ser chamados de irmãos, o que é que temos feito pelos nossos irmãos?

Deus se abaixou por nós, Ele não foi para Gramado na Páscoa. Deus não precisou abrir supermercado na Sexta-Feira Santa. Ele foi até o fim. E o que é que nós temos feito por Ele e pelos nossos irmãos?

Ainda na celebração tivemos a Oração Universal, onde após cada prece uma vela era acessa, sinal da luz de Cristo. Os fiéis receberam a Eucaristia e puderam reverenciar Jesus crucificado.

A Sexta-feira Santa teve ainda um momento celebrativo no final do dia com a procissão do Senhor morto. As estações da via sacra conforme material da Campanha da Fraternidade foram ornamentadas por moradores dos prédios e estabelecimentos da Avenida Pátria. Um momento importante foi a parada em frente ao HCC onde rezamos pelos enfermos e por todos os médicos e funcionários do Hospital.

No retorno a igreja, os fiéis manifestaram sua devoção ao Senhor com o compromisso de participarem da vigília pascal no sábado. A equipe de liturgia agradece a todos os que se empenharam na elaboração dos altares para a nossa via sacra, a guarda municipal de trânsito que fez a segurança e a toda a comunidade que participou deste momento de fé.

Programação
A programação da Semana Santa segue no sábado, dia 20, às 19h, ocasião que será celebrada a Vigília Pascal com a bênção do fogo e da água. No Domingo de Páscoa, as missas acontecem às 10h e 19h.

Informações

Júlio César Rossoni

Nenhum Comentário

Deixe uma resposta